Criar uma Loja Virtual Grátis

NUTRIÇÃO NA INSUFICIÊNCIA RENAL

NUTRIÇÃO NA INSUFICIÊNCIA RENAL

INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS NEFROCENTRO

Como é a alimentação para quem faz HEMODIÁLISE? 

A dieta para quem faz HEMODIÁLISE consiste em alimentar-se em quantidade adequada, escolhendo os alimentos corretamente. Alguns itens da alimentação merecem maior atenção e cuidado. São eles: 

1 – Líquidos: Preciso controlar? Como?

Sim, é necessário o controle dos líquidos para quem faz hemodiálise, pois o excesso pode se tornar perigoso, porque pode se acumular no organismo, forçando os pulmões e o coração. O ganho de peso entre uma sessão de diálise e outra deve ser de até 1,5 - 2,0 Kg.

O que é líquido?

Água, chimarrão, café, chá, sucos, sopa, refrigerantes, leite e também sorvete, gelatina e pudim (porque na temperatura ambiente são líquidos).

Dicas para conter a sede:

- Não comer alimentos salgados e/ou muito doces
- Fazer bochecho com água
- Chupar um pedacinho de gelo
- Chupar um limão
- Balas azedas e chiclete
- Para beber líquido, use sempre um copo pequeno

2-Sal: Comer sem sal?

Depende do controle da sua pressão arterial, entretanto, evite alimentos como: defumados, em conserva, enlatados, temperos prontos, caldo de carne ou galinha concentrados, queijos salgados, embutidos (mortadela, presunto, lingüiça, salame, paio), bacalhau, molhos (soja, tomate, mostarda, ketchup). Além disso, pode usar 1 tampinha de caneta BIC® ao dia, o que corresponde a 1g de sal.

Obs. Meia tampinha de caneta BIC® é o suficiente para salgar 1 prato de comida. NÃO USE SUBSTITUTOS DO SAL PORQUE TEM POTÁSSIO.

Temperos permitidos:

Principalmente os naturais: cebola, alho, orégano, páprica, manjerona, manjericão, pimenta, louro, cominho, ervas, cravo, canela, limão, salsinha, cebolinha, hortelã, colorau, pimentão, alecrim, curry, noz moscada, endro, tomilho, gengibre, açafrão, raíz forte(crem),... Além de : essência de baunilha, vinagre e vinho para temperar carne. 

3-Potássio: O que é isso?

É um mineral que atua junto aos músculos e nervos. Como a sua quantidade no sangue é regulada pelos rins, na insuficiência renal crônica ele pode estar elevado. O potássio em excesso no sangue torna - se perigoso para o seu coração.

Alguns sinais de que o potássio está elevado: fraqueza muscular ou sensação de pernas "travando" e batimentos cardíacos irregulares (palpitação).

O que tem potássio e deve ser evitado?

Principalmente: chocolate (mesmo o diet), amendoim, feijão, lentilha, soja, canjica, grão de bico, café solúvel, abacate, uva, coco, água de coco, laranja, banana, sucos de frutas naturais, frutas secas, amendoim, rapadura, maracujá, carambola, pinhão, entre outros alimentos.

                         NÃO USE DE FORMA ALGUMA CARAMBOLA!!!

4-Cálcio e fósforo: porque é necessário controlar?

Esses dois elementos trabalham juntos nos ossos, nervos e músculos. Com a insuficiência renal acontece um acúmulo de fósforo (excesso) e alteração dos níveis de cálcio (para mais ou para menos).

Dicas importantes:

Não esqueça do QUELANTE DE FÓSFORO (Carbonato de Cálcio, Acetato de Cálcio e Renagel ®), que servem para diminuir o fósforo, pois este é pouco retirado na diálise. É muito importante usar o quelante junto ou logo após as refeições, para ele se ligar ao fósforo do alimento e ser eliminado nas fezes.

Quando o fósforo estiver alto, controle o consumo de peixes, ovos, leite e derivados e carnes.

5- Proteínas: para que servem?

Servem para manter o organismo bem nutrido. Mesmo que a ingestão de proteínas possa resultar no aumento da uréia, você deve fazer o possivel para comer estes alimentos: carnes em geral, ovos, leite e derivados, etc; pois a perda de proteínas do seu organismo é muito grande e pode levar à desnutrição, o que prejudicará sua saúde ainda mais.

Estas orientações são de caráter informativo e geral, consulte um médico ou nutricionista para poder esclarecer possíveis dúvidas e orientar você adequadamente conforme o caso e necessidade.

 Observação: os pacientes diabéticos precisam retirar todo o açúcar das dietas, evitando os açúcares de massas e frituras.

“A dieta é o fator principal para uma melhor qualidade de vida”

 

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO

Uma alimentação adequada deve ser completa, variada e equilibrada, respeitando as recomendações para uma alimentação saudável. Saber como comer permite ao indivíduo fazer as melhores opções, de modo a melhorar o seu estado de saúde, prevenindo ou tratando doenças.

Conhecer a constituição dos alimentos é um fator de máxima importância. Estes são constituídos pelos seguintes Macro-nutrientes: Hidratos de Carbono, Lípidos, Proteínas e Micro-nutrientes.

As Proteínas são responsáveis pelo crescimento, manutenção e reparação dos órgãos, tecidos e células do organismo. As Proteínas constituídas por aminoácidos essenciais, são as mais bem aproveitadas pelo organismo, e denominam-se proteínas de alto valor biológico. Estas proteínas, existem essencialmente nos alimentos de origem animal, particularmente no leite, carne, pescado e ovos. Os alimentos de origem vegetal são uma boa fonte proteica, no entanto são constituídos por proteínas de baixo valor biológico, como é o caso das leguminosas. Cada grama de proteína fornece 4 Kcal.

Os Lípidos são grandes fornecedores de energia, uma vez que 1g de lípidos fornece 9 Kcal. Uma alimentação rica em gorduras deve ser evitada já que contribui para a intolerância à glicose, excesso de peso, aumento de colesterol, aterosclerose, todos eles, fatores de risco para doenças cardiovasculares.

Os Hidratos de Carbono (HC) constituem a principal fonte de energia para o organismo, sob a forma de glicose. A glicose é o açúcar que funciona como combustível principal para todas as células do organismo. Cada grama de HC fornece 4 Kcal. Existem dois tipos de Hidratos de Carbono: Simples e Complexos. Os Hidratos de Carbono Simples ou de absorção rápida são constituídos por uma ou duas unidades e, por isso, são absorvidos rapidamente, principalmente quando consumidos isoladamente, provocando subidas bruscas do açúcar no sangue. Os Hidratos de Carbono Complexos são, no geral, absorvidos lentamente pois são constituídos por várias unidades de carbono e demoram algum tempo para serem divididos em unidades simples que possam ser absorvidos pelo organismo. O consumo de alimentos ricos em Hidratos de Carbono Complexos deve ser uma prioridade. O amido é o hidrato de carbono complexo mais comum, existindo nos cereais, pão, massa, batata e leguminosas.

Existem ainda os HC complexos que não são digeridos pelo organismo, como as fibras alimentares, presentes nos alimentos de origem vegetal tais como cereais e seus derivados pouco processados, fruta, hortícolas e leguminosas. As fibras alimentares não fornecem energia, mas são ricas em água, vitaminas e minerais, e têm funções importantes para regular e promover o bom estado de saúde.

 

 

"Nunca deve tomar um medicamento que não tenha sido prescrito."

Os pacientes com doença renal crônica geralmente podem ter comorbidades e mortalidade decorrente. Uma ingestão alimentar alterada é prevalente nestes pacientes o que contribui para este risco excessivo. Existem fortes indícios dos efeitos protetores da dieta mediterrânea para os pacientes, e assim como a redução dos riscos de comorbidades e mortalidade.

A dieta mediterrânea é baseada no maior consumo de vegetais, frutas, oleaginosas, grãos, carne branca (peixes) e podemos utilizar a carne branca (aves) com preparo adequado, gorduras insaturadas como o azeite extra virgem, e o menor consumo de leite e derivados, carne vermelha e gorduras saturadas. Os benefícios da dieta está na redução do perfil cardiometabólico destes pacientes e da acidose metabólica.

Tabela da Composição de Alimentos – Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge.

 

LEMBRE-SE APESAR DE SER SINAL VERDE TEM QUE SER CONSUMIDO COM MODERAÇÃO, POIS O CONSUMO EXAGERADO TAMBÉM ELEVAM O FÓSFORO E PÓTASSIO. A ORIENTAÇÃO DEVE SER INDIVIDUALIZADA E COM O NUTRICIONISTA.

 

Tabela composição de Verduras e Legumes Crus